Marketing digital sem treinamento pode gerar prejuízo às empresas






O uso das redes sociais como ferramenta de marketing pode representar uma grande oportunidade para as micro e pequenas empresas. Mas também expõe as organizações a dois grandes riscos: não ter o efeito esperado, quando a companhia não consegue estabelecer comunicação com o público-alvo, ou gerar crises. Quem faz o alerta é a especialista em marketing digital Martha Gabriel, que palestrou no Brunch do Varejo, encontro promovido pela CDL de Porto Alegre.

Martha é autora do livro Marketing na Era Digital e mostrou aos empresários que a essência do marketing não muda com o uso das ferramentas digitais. “Ainda é fundamental conhecer o seu público, e poucas empresas conhecem seus clientes”, disse ela ao apontar essa informação como a chave principal para a escolha de quais as redes sociais serão usadas pela empresa e como será apresentada a informação. Para isso, a capacitação em marketing digital é fundamental para que os colaboradores da empresa possam implementar ações de forma planejada e eficiete.

A especialista foi enfática ao lembrar que diferentemente do investimento feito em mídias tradicionais – em que há uma verba aplicada por um período determinado de tempo – a presença do marketing de uma empresa na internet deve ser constante, o que pode fazer com que se esgotem os recursos, quando a ação não é bem planejada. O ponto central, afirmou, é que no caso das micro e pequenas empresas (que dominam o varejo, por exemplo), o investimento principal seja feito em treinamento. Ela sugere que, no período de preparação, os recursos que seriam empregados na impressão de folders, por exemplo, sejam destinados à educação.

As opções de treinamentos em marketing digital
As opções são várias, de acordo com Martha. Em essência, os cursos rápidos e as pós-graduações irão mostrar como identificar o público-alvo e como abordá-lo nas redes sociais. “É preciso chamar para o diálogo. É diferente de fazer um anúncio tradicional. Como nas micro e pequenas empresas, normalmente tem uma única pessoa para cuidar do assunto, é preciso que ela tenha conhecimento para fazer as escolhas certas e saiba usar de forma adequada as potencialidades da ferramenta escolhida. Assim a mensagem não passa despercebida e também não gera uma crise de comunicação”, afirmou.



Para a especialista, é fundamental que as empresas marquem presença no mundo digital, que estejam onde estão seus consumidores. Porém, ela diz que é preferível se abster de usar essas ferramentas sem fazer um planejamento prévio. Martha lembrou que o mundo das redes sociais tem mudanças constantes, alteram-se as ferramentas e o uso que as pessoas fazem delas. Por isso, ela recomenda atenção a todo esse universo.

“Há dois ou três anos, a grande rede social dos brasileiros era o Orkut. Essa ainda é uma ferramenta muito importante, sobretudo para quem quer vender para as classes emergentes. Mas temos que observar a predominância do Facebook e, também, a ascensão do Google+. O Foursquare, que era incipiente até alguns anos, agora está numa fase de maturação e é referência em geoposicionamento. O Twitter também é uma ferramenta relevante”, exemplificou.

Fonte: Jornal do Comércio