Promoções em compras coletivas: restrições à vista?






Primeiro foram os serviços de estética. Desde a última segunda-feira, em três estados do Nordeste – Paraíba, Rio Grande do Norte e Alagoas – vigora a proibição do anúncio de serviços desse segmento em sites de compra coletiva. A decisão partiu do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 1ª Região, que atua nos três estados. A partir de agora, profissionais que descumprirem a norma estarão sujeitos a sofrer processo ético, que pode vir na forma de advertência formal, suspensão do direito de exercer a profissão ou até a cassação do diploma. Pela determinação, estão proibidos de participar de promoções qualquer procedimento realizado por fisioterapeutas, tanto estéticos (drenagem linfática, limpeza de pele, massagem etc.) , de traumatologia ou reumáticos. O problema, segundo o Conselho, é que essa forma de venda infringe o  Código de Ética da profissão, que estipula a necessidade de avaliações prévias antes de indicar o atendimento. 

Agora, a má notícia vem do Paraná. A partir dessa semana, o Detran-PR está bloqueando em caráter temporário os processos de matrícula das Auto Escolas (Centros de Formação de Condutores) que fazem grandes promoções em sites de compras coletivas. A alegação é de que as ofertas descumprem a legislação de trânsito, que determina que a autoescola, no momento da matrícula do aluno, precisa especificar em contrato detalhes como horário das aulas, frequência exigida e prazo de validade do processo. Com tanta demanta, o Detran também demonstra preocupação quanto à capacidade das escolas de atender tantos novos alunos que se inscrevem através de promoções.

Por ora, a Controladoria Regional de Trânsito do Departamento está chamando as escolas que fizeram promoções para que apresentem planos de cursos, e demonostrem como será feito o atendimento aos novos clientes. Para cumprir a lei, o Detran também exige agora que sejam firmados contratos para cada novo aluno, mesmo que depois da compra do cupom, para só então retomar as matrículas. “A formação de condutores não é um produto de pronta entrega, mas sim um processo educativo, em que cada aluno apresenta condições de aprendizagem distintas e que, por isso, deve ser tratada de forma personalizada”, disse em entrevista o controlador Cleto do Amaral Cattani.

Os dois acontecimentos na mesma semana servem de alerta para sites de compra coletiva. Promoções em cursos e serviços de estética, como se sabe, são parte importante do faturamento dos negócios, e marca registrada dos sites de compra coletiva. Diante de restrições de órgãos públicos e de classe, o mercado terá de se adaptar à nova realidade. Não é difícil supor que dificuldades semelhantes possam brotar para ofertas de outras categorias. A avaliação é de que, daqui para frente, portanto, cautela nunca será demais.

Fonte: bolsadeofertas.com.br